lições do RD Summit 2018

Depois de uma verdadeira maratona de três dias de palestras, conhecimento, ideias e muito Marketing Digital, trouxemos algumas lições do RD Summit 2018 que são tão valiosas hoje como serão no futuro do Marketing. Olha só:

1. As pessoas são o centro do Marketing

Se tem uma coisa que o RD Summit 2018 não deixou ninguém esquecer é que tudo o que fazemos é dedicado às pessoas. Por mais que as ferramentas se atualizem e os algoritmos se aprimorem, tudo o que fazemos é pensado e direcionado a uma pessoa real, inclinada ou não, a fechar uma compra. Pode até parecer uma lição óbvia, mas quantas vezes não nos vimos em busca de metas frias de números de seguidores ou de leads? Lembre-se: mais importante do que o número é a pessoa que estamos tentando conquistar.

 2. Até decisões racionais são movidas por emoções

O cérebro tem formas de funcionar que muitas vezes vão na direção contrária do que se imagina. Oferecer mais opções, por exemplo, pode prejudicar a tomada de decisão. Até mesmo quando uma pessoa acha que está tomando uma decisão consciente e racional o cérebro dela pode estar sendo persuadido por uma emoção, por um terreno preparado especificamente antes mesmo de ela se dar conta de que estava tomando uma decisão. Quando você emociona um cliente você não apenas consegue um atalho para o coração dele, mas também para o cérebro.

 3. Uma marca é tão forte quanto a experiência de seus clientes

O que faz uma marca forte? Um bom produto? Uma logo vistosa? Um alto ticket médio? Tudo isso e mais um pouco. A definição da marca é a soma de todas as interações que os clientes e o público têm com ela. Se você tem um bom produto, mas a experiência de atendimento ou de devolução não é das melhores, isso inevitavelmente irá impactar na sua marca. A lição aqui é não se acomodar e estar sempre atento se a empresa está realmente proporcionando a melhor experiência possível aos seus clientes, ou seja, às pessoas. Sim, novamente as pessoas.

 4. Cada cliente é um influenciador

Aproveitando o gancho da interação dos clientes, precisamos falar sobre influenciadores. Mas não estamos falando somente daqueles youtubers ou influencers das redes sociais. Cada um dos seus clientes é um influenciador em potencial que pode ajudar a elevar ou a derrubar a sua marca. Cada vez mais as pessoas (sempre elas!) buscam opiniões e avaliações de clientes, seja em lojas on-line, nas redes sociais, em sites como o Reclame Aqui, ou qualquer tipo de fórum on-line. Enquanto o influencer das redes sociais pode ter sim um alcance maior on-line, a opinião de pessoas “reais”, “gente como a gente”, costuma ser levada mais a sério pelos seus clientes em potencial. Potanto, é essencial aprender a ouvir cada vez mais o cliente e dar voz para que ele possa recomendar a sua empresa a futuros clientes.

 5. Pessoas são movidas por educação

Esta lição aqui vale tanto internamente como externamente. Toda empresa tem um público interno, formado pelos seus colaboradores, que nem sempre são lembrados na equação do Marketing. Lembra-se das pessoas? São elas que movem a sua empresa também e, da mesma forma, precisam ser estimuladas. Não são metas mais ambiciosas que vão fazer uma equipe dar o melhor de si todos os dias, é a perspectiva de crescimento, seja pessoal ou profissional. E este crescimento se dá por meio da educação, da oportunidade de aprender e aplicar coisas novas no próprio ambiente de trabalho. Da mesma forma, quando se pensa em conteúdo para o seu público externo a premissa da educação deve ser lembrada a todo o tempo. Pessoas não querem sentir que estão tentando vender um produto para elas o tempo inteiro. Elas buscam conteúdo bom e útil, que as ajude em alguma situação, por exemplo. Não negue isso a elas. Aproveite a autoridade, a expertise da sua empresa, e ofereça algo para o seu público para que ele se interesse e cultive uma relação de confiança com o seu produto e a sua marca.

 6. A importância de contar uma boa história

Uma prática comum ao apresentar um produto ou solução é bombardear o seu público com informações sobre o quanto ele é bom e com números que comprovem isso. Mas e, se em vez de contar dados, contássemos histórias verdadeiras de pessoas que se beneficiaram de tal produto ou serviço? Lembre-se de que mesmo as decisões racionais são movidas pelas emoções. Além disso, alguns dos princípios para preparar o terreno à persuasão são a empatia e o sentimento de consenso. Pessoas são inclinadas a quererem saber de pessoas, não de produtos. Envolva o seu cliente em potencial em uma história em que ele se veja como o herói e se sinta propenso a tomar uma atitude em direção ao final feliz.

Já comentamos sobre este assunto neste post

 7. SEO não cria valor onde ele não existe

A sigla da vez de qualquer pessoa que busque ranqueamento orgânico no Google é a tal da SEO (Search Engine Optimization). Enquanto tem gente quebrando a cabeça tentando decifrar os algoritmos do Google que mudam constantemente, um elemento essencial é esquecido: a experiência da pessoa. Por isso, de nada adianta investir em uma arquitetura mirabolante para o site se o conteúdo que o usuário encontra lá não é útil, relevante ou de qualidade. As atualizações do Google têm justamente o objetivo de proporcionar cada vez mais uma melhor experiência para o usuário e é com isso que se deve preocupar quando o assunto é SEO. Esqueça os hacks e se coloque no lugar do seu público: o que ele quer ver? De que forma? No que ele confia? Como você pode mostrar autoridade para ele? Aliás, autoridade é uma das palavras de ordem para o Google, juntamente com expertise e confiança. Mostre isso ao seu público (e ao Google) e o seu site não servirá apenas para ranquear, mas para conquistar novos clientes.

 8. Mobile não é o futuro, é o presente!

Esqueça este papo de que no futuro os smartphones tomarão conta da Internet, isso já está acontecendo e com força. Prova disso é o crescimento exponencial do Instagram em relação ao Facebook (que embora tenha versão mobile não é tão bem adaptado ao dispositivo). Caso ainda tenha dúvidas, dê uma olhada no Analytics do seu site e veja qual o percentual de acessos de computador ou de dispositivos móveis. Em alguns casos os smartphones já ultrapassam os 70% dos acessos. Mas o que isso significa? Que as suas estratégias não podem mais pensar no mobile como uma extensão do desktop, ele deve receber tratamento prioritário. Estamos falando de sites não apenas responsivos, mas realmente funcionais para mobile, que carreguem rapidamente, que façam com que o seu usuário permaneça no site navegando por outras páginas e que seja amigável a comandos de voz, por exemplo. Quem ainda não se adaptou já está atrasado.

Dá pra ver que muitas das lições não irão mudar de um ano para o outro. O trabalho agora é aproveitar tudo isso ao longo de 2019 e se preparar para as novidades que o mundo do Marketing ainda nos reserva.

lições do RD Summit 2018

O que você quer procurar?

storytelling